SERÁ O TRABALHO NÃO REMUNERADO O PRINCIPAL DETERMINANTE PARA A BAIXA PERCEPÇÃO DO STATUS SOCIAL SUBJETIVO EM ATLETAS DE FUTEBOL DE BASE?

  • Walan Robert da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)
  • Thiago Emannuel Medeiros Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)
  • Denis Lima Greboggy Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Fernando Luiz Cardoso Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Resumen

O objetivo do estudo foi verificar em que medida o trabalho não remunerado e a titularidade estão associados a baixa percepção do Status Social Subjetivo (SSS) em atletas de base do futebol. Participaram desse estudo 152 atletas do sexo masculino em fase de formação esportiva com média de idade de 16,2(dp=1,69) anos, pertencentes às categorias Sub 15 (n= 45), Sub17 (n= 46) e Sub 20 (n= 49) de dois clubes profissionais do estado de Santa Catarina- Brasil participantes da 2ª divisão do Campeonato Brasileiro. Conclui-se que a titularidade é a principal variável explicativa para o baixo SSS para mais jovens (categorias sub 15 e sub 17), e que o receber ou não salário, se torna um importante preditor da baixa percepção com SSS ao passar da idade (categoria sub 20).  

Citas

Adler, N. e Stewart, J. (2007). The MacArthur Scale of Subjective Social Status. Recuperado em 08 de janeiro, 2017, de http://www. macses.ucsf.edu/research/psychosocial/subjective.php

Anderson C. J., John O. P., Keltner D., King A. M. (2001). Who attains social status? Effects of personality and physical attractiveness in social groups. Jounal of Personality and Social Psychology, 81(1):116-132.

Brandão, M., Morgado, F., Machado, A., & Almeida, P. (2008). O futebol e seu significado. Motriz, 14(3), 233-240.

Davis, J. A. (1956). Status Symbols and the Measurement of Status Perception. Sociometry, 19 (3), 154-165.

Demakakos P, Nazroo J, Breeze E, Marmot M. (2008). Socioeconomic status and health: The role of subjective social status. Social Science & Medicine, 67(2):330-340.

Franzini, L., e Fernandez-Esquer, M. E. (2006). The association of subjective social status and health in low-income Mexican-origin individuals in Texas. Social Science & Medicine, 63(3), 788-804.

Freitas C., Farias Junior J. M., Sandes Junior A. B., Kucera C., Melo R. R., Leão A. C. (2009). Aspectos psicossociais que interferem no rendimento de modalidades de­sportivas coletiva. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano,11(2):195-201.

Freitas, K. T. D. D., Ferrari, E. P., Vieira, M. P., Silva, W. R. D., Carvalho, H. P. D., e Cardoso, F. L. (2016). Association of subjective social status and sociodemographic indicators in athletes. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, 18(5), 591-601.

Goodman E., Adler N., Kawachi I., Frazier L., Huang B., e Colditz G. A. (2001). Adoles­cents’ perceptions of social status: development and evaluation of a new indicator. Pediatrics, 108(2):E31.

Jackman M. R., Jackman R. W. (1973). Interpretation of relation between objective and subjective social status. American Sociological Review, 38(5):569–582.

Keegan R. J., Harwood C. G., Spray C. M., Lavallee D. E. (2009). A qualitative investigation ex­ploring the motivational climate in early career sports participants: Coach, parent and peer influences on sport motivation. Psychological Sport and Exercise, 10(3):361-372.

Magee J. C., Galinski A. D. (2009) Social Hierarchy: The Self-Reinforcing Nature of Power and Status. The Academy of Management Annals, 2(1):351-398.

Marques, C. M. (2005). Estudo correlativo entre atitudes e a orientação motivacional para o ego: Estudo realizado em jovens atletas em função do Género, Contexto de prática e Tipo de modalidade. Dissertação em Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal. Recuperado em 24 de março, 2013, de https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/17034/1/Estudo%20Correlativo%20entre%2Atit udes%20e%20a%20Orienta%C3%A7%C3%A 3o%20Motivaciona.pdf

Medeiros T. E., Ferrari E. P., Cardoso F. L. (2009). Relação entre status social subjetivo e esquemas de gênero do autoconceito em jogadores de futebol. Pesquisa e Práticas Psicossociais, 9(1):106-117.

Operario D., Adler N., Williams D. (2004). Subjective social status: reliability and predic­tive utility for global health. Psychological Health, 19(2):237-46.

Pereira, C. E. C., e Bizelli, J. L. (2014). Futebol juvenil: entre o imaginário e a materialidade da vida nas categorias de base no brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 9(2).

RODRIGUES, F. X. F. (2004). Modernity, discipline and soccer: a sociological analysis of the social production of soccer players in Brazil. Sociologias, 0-11.

Rubio, K. (1999). A psicologia do esporte: histórico e áreas de atuação e pesquisa. Psicologia: ciência e profissão, 19(3), 60-69.

Singh-Manoux, A., Adler, N. E., e Marmot, M .G. (2003). Subjective social status: Its determinants and its association with measures of ill-health in the Whitehall II study. Social Science & Medicine, 56(6), 1321-1333.

Thomas, J. R., Nelson, J. K., & Silverman, S. J. (2009). Métodos de pesquisa em atividade física. Artmed Editora.

Vaillancourt, T., e Hymel, S. (2006). Aggression and social status: The moderating roles of sex and peer‐valued characteristics. Aggressive Behavior, 32(4), 396-408.

Publicado
2018-06-20
Sección
Artículos