ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL E ANÁLISE DAS PROPRIEDADES PSICOMÉTRICAS DA VERSÃO BRASILEIRA DO TRAIT ROBUSTNESS OF SELF-CONFIDENCE INVENTORY

  • Marcos Gimenes Fernandes Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Sandra Adriana Neves Nunes Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Helder Miguel Fernandes Universidade de Trás-os-Montes do Alto Douro

Resumen

A autoconfiança robusta consiste num conjunto de crenças positivas maleáveis que protegem contra os desafios psicológicos e ambientais em curso do esporte competitivo. No Brasil há uma carência de instrumentos psicométricos que avaliem esse constructo. Este estudo teve como objetivos: i) a tradução e adaptação transcultural do Trait Robustness of Self-Confidence Inventory; ii) verificar as suas propriedades psicométricas (confiabilidade e validade fatorial), iii) verificação da validade convergente e discriminante. A amostra de calibração foi constituída por 163 atletas (27,6% de mulheres) com média de idades de 25,55 anos (DP = 8.44) e a amostra de validação foi constituída por 152 atletas (30,9% de mulheres) com média de idades de 25,95 anos (DP = 8,94). O Trait Robustness of Self-Confidence Inventory foi aplicado no local de treino dos atletas.  Os resultados indicaram boas propriedades psicométricas (χ²/df = 0,61; CFI = 1,00; GFI = 0,99; RMSEA = 0,000 e AIC = 39,32), para uma versão bidimensional de sete itens. Foi suportada a validade convergente, assim como a validade discriminante. Em função desses resultados, recomendamos aos pesquisadores que objetivam avaliar autoconfiança robusta em atletas brasileiros, que utilizem o TROSCI.

Biografía del autor

Marcos Gimenes Fernandes, Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz

Sandra Adriana Neves Nunes, Universidade Federal do Sul da Bahia

Instituto de Humanidades, Artes e Ciéncias Jorge Amado

Helder Miguel Fernandes, Universidade de Trás-os-Montes do Alto Douro

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Publicado
2018-06-20
Sección
Artículos